Carregando...

Archer Network

0

Notícias


Review - Ragnarok Eternal Love


Nome: Cleber Santos

Discord: Zephi#2098

Sobre: Graduando em Redes de Computadores, Técnico em Informática e Eletrônica, sempre apaixonado por tecnologias eletrônicas principalmente as que envolvem games viu no site uma opertunidade de juntar pessoas que compartilham dessa paixão ou que simplesmente desejam saber mais como funciona esse universo vasto e que nos diverte a tanto tempo.

Gravatar

Número de acessos: 227

Publicado em 12/03/2019 por Zephi

Lançado em 31 de agosto de 2002 na Coréia do Sul, Ragnarok Online se tornou febre mundial durante os anos que se seguiram, sendo lançado em outros países como Taiwan, Japão, China, Brasil entre outros, seu gameplay simples e sua mecânica de builds elaborada o levaram a se tornar um sucesso de vendas.

 

Baseado nesse sucesso, diversos títulos baseados na franquia foram lançados desde então, até que em 2017 foi lançado o jogo Ragnarok Eternal Love sendo desenvolvido pela empresa chinesa Xindong, no entanto ao invés de uma versão para computador, a Gravity optou por uma versão de mobile apostando nesse mercado em expansão.


No início desse ano tivemos o lançamento dos servidores globais, os quais inclui o servidor brasileiro e é justamente o servidor utilizado para esse review e primeiras impressões sobre a mecânica de jogo que para quem já jogou por vias alternativas em outros servidores já não é segredo de longa data.




Como é o jogo?

Devido a sua criação para o mercado de dispositivos mobile o gameplay obviamente se da por meio de controles de toque, que nesse caso são muito bem feitos para quem gosta de utilizar a tela para jogar, para quem não gosta ou é fã do primeiro Ragnarok terá alguns problemas para se adaptar, eu mesmo preferi utilizar um emulador no computador por me enquadrar nos dois casos.

 

A movimentação do personagem é feita via "click to go" (clicar para ir) ou ainda com um direcional de toque na tela, outra opção é clicar aonde deseja ir no mini mapa e o personagem irá sozinho até o local desejado.

 

Utilizando emuladores é possível configurar atalhos no teclado para deixar o jogo parecido como o Ragnarok original, dedicando teclas para os itens e as skills, a mecânica do jogo apesar de parecida diverge em alguns pontos das do Ragnarok original, por exemplo existem duas formas de fortalecer os equipamentos adquiridos, uma é por refino exatamente igual o original e a outra é por reforço que utiliza Zeny (dinheiro do jogo) para tal (e nos níveis altos se torna uma fábrica de tirar dinheiro do char).

 

O sistema de níveis é parecido com o Ragnarok e você vai precisar upar tanto o nível de Base (Nível de seu personagem) quanto o nível de Classe, sendo esse último necessário para progredir nas classes (de lvl 1 até 10 aprendiz, de 1 até 40 primeira classe, de 1 até 40 segunda classe e de 1 até 40 transclasse, que diferente do Ragnarok original não é necessário iniciar novamente como aprendiz, vulgo "rebornar"), lembrando que a cada mudança de classe o nível (de classe) volta a 1, diferente do servidor chinês, ainda não foi implementado no servidor global a terceira classe até o momento desse review.

 

O nível de base máximo nos servidores globais é de 99, e para chegar lá necessário acumular bastante pontos de experencia como pode ser visto no link: https://www.roguard.net/game/exp-tables/

 

Por falar em upar, Ragnarok sempre foi conhecido pelo problema dos BOTs, (inclusive a própria Gravity no jogo Ragnarok Offline fez uma auto zueira colocando bots mal configurados na Vila dos Orcs de fundo no cenário) no entanto a função implementada de auto ataque aonde é possível colocar seu personagem para bater sozinho com as skills pré configuradas em qualquer monstro ou algum em particular que foi colocada em Ragnarok Eternal Love me parece a materialização do ditado "se não pode com eles junte-se a eles", não me entenda mal, a função de auto ataque é muito útil principalmente em quests onde o NPC pede para matar 300 monstros ou ainda se estiver no jogando no celular, no entanto não poderia deixar de ressaltar o quão irônico essa função aparenta ser para quem é velho no mundo de Ragnarok.

 

Talvez justamente por conta desse modo automático de batalha, foi implementado o tempo de combate, onde diariamente todos os player podem combater monstros sem penalidades por 300 minutos, sendo esse tempo acumulado até 900 minutos em caso de não combate nos dias anteriores, isso limita o modo automático visto que ao ultrapassar o limite cada vezes mais a xp e o drop de itens ficam limitados, por conta disso não compensa por exemplo deixar o seu personagem o dia inteiro batendo no modo bot (sim modo bot, não resisti em definir assim pelo menos uma vez o modo automático).

 

As classes são as mesmas do original e algumas skills foram adaptadas para a versão mobile (por exemplo brandir lança não é mais ataque em área ou ainda conjurar esfera espiritual ao atingir lvl 5 já habilita zen), outras foram removidas e outras podem ser ativadas via runa (adquiridas a parte).

 

Por falar em runas, esse foi um sistema complexo de upgrade de personagem que habilita skills, sobe atributos ou ainda melhoras as skills existentes:

 



As cidades foram remodeladas e melhor aproveitadas (havia muito problema de cidades superdimensionadas e sem nenhuma função no Ragnarok original), dificilmente você encontrará espaços vazios sem sentido nas cidades (como por exemplo no sudeste vulgo ponto 3 de Prontera onde era originalmente a sede dos espadachins mas depois que foi para Izlude ficou um terreno baldio enorme).


Como todo o RPG as quests estão presentes, e finalmente bem melhores que as do Ragnarok original, são bem definidas, claras em seus objetivos e boa parte delas possui sistema de guia, onde ao clicar na quest o mesmo lhe mostra no mapa o mapa que você deve ir e a localização próxima do objetivo, dão boa xp e a história dos NPC são convincentes.


Existem vários tipos de quests, as principais ( ! ) que seguem a história principal do jogo e são habilitadas pela conclusão das anteriores e o nível base do jogador, as secundárias ( ! ) que são necessárias para habilitar alguns itens dos NPCs ou ainda liberam títulos que dão vantagens no jogo, fora que dão uma certa xp, as diarias ( ! ) que são zeradas todos os dias, e as demais para matar o tédio caso ele apareça.


Outra implementação importante é a classe de aventureiro, o qual lhe dá habilidades extremamente úteis no jogo e lhe permite mudar o visual do personagem em níveis mais altos, todos começam no nível 1, classe F e conforme progridem no jogo realizando quests, cozinhando e descobrindo novos mapas vão subindo de nível até que podem tentar realizar um upgrade de classe, para qual é necessário realizar uma quest (que normalmente não sai barato em Zeny) que lhe permite subir para a classe E, D, C, B e finalmente A, e em cada uma delas se obtém a possibilidade de adquirir novas skills e habilitam novos itens em NPCs.

 

O sistema de culinária que já existia no Ragnarok foi aprimorado e agora ficou bem mais intuitivo cozinhar, no entanto o sistema foi dividido entre cozinhar e degustar, cada um com seu respectivo nível, quanto mais alto seu nível de culinária maior são as chances de cozinhar com sucesso e quanto mais alto seu nível de degustador, mais efeito cada comida faz no seu personagem, paralelo a isso ainda existe um nível individual para cada comida de preparo e degustação que melhoram as chances de realizar com sucesso o prato e seus efeitos, parece confuso? pois é, leva um tempo para acostumar e se familiarizar.

 

O inventário conta com um bom espaço para guardar os itens e agora não existe mais limite de peso, sendo a quantidade de itens o fator limitante, no quesito Kafra você tem dois espaços de armazenamento, um exclusivo para o seu personagem e outro compartilhado com trinta espaços para a conta, e é através dela que é feita a troca de itens entre personagens de sua conta, isso claro se o item permitir ser compartilhado.

 

Falando em compartilhar, esse é o mais próximo que você vai chegar de trocar itens com outro personagem, pois nesse jogo o famoso trade não existe, pois é não é possível trocar itens entre personagens de contas diferentes, portanto se você estiver em um grupo e conseguir um item que outro personagem precise, simplesmente não é possível passar para ele, o que frustra um pouco a parte social do jogo considerando que é muito triste as vezes vender no NPC ou colocar no leilão um item que algum amigo estava precisando, na minha opinião isso ocorreu por dois motivos, evitar o mercado negro (segundo as regras do jogo é proibido vender itens por dinheiro) que acontece no Ragnarok original e incentivar a compra via loja de leilão do jogo.

 

Para vender itens no jogo existem dois tipos de leilão, o geral em que pode ser vendido qualquer item a qualquer hora (desde que o mesmo permita claro) com dinheiro comum do jogo (Zenys) não é possível escolher o preço de venda, o jogo analisa a oferta do item e especifica um preço para tal, ou seja quanto mais itens estiverem disponíveis a venda, menor o preço dele será, isso foi feito provavelmente em uma tentativa de controlar a inflação que sempre afetou o Ragnarok original e de quebra evitar que o jogador coloque o valor incorreto no item e o venda a preço de banana (outros prováveis motivos serão tratados adiante).

 

O outro tipo é o premium que só ocorre em determinados períodos e somente com itens valiosos, nesse caso o tempo do leilão é bastante limitado e só podem ser utilizados Big Cat Coins, ou seja na pratica é um leilão com dinheiro de verdade uma vez que Big Cat Coins são primariamente adquiridos com dinheiro real.




Para quem é?

Principalmente para quem já está familiarizado com o universo de Ragnarok como jogadores antigos ou ainda entusiastas de MMORPGs com personagens no estilo MOE.



Adaptações?

Por falar em MOE, vale ressaltar um detalhe interessante, devido a alguns problemas (judiciais) no servidor asiático a desenvolvedora do jogo foi obrigada a censurar algumas personagens (sim está no feminino pois foi o único gênero afetado) por conta da faixa etária disponibilizada na App Store e no Google Play, por essa razão vemos o decote das Gatunas com um pano preto por cima ou ainda a Algoz que teve o decote e suas pernas completamente censurados:



 

 


Para quem iniciou no mundo do Ragnarok com o lançamento do Eternal Love no servidor global nem sentiu a diferença, no entanto quem começou a jogar nos servidores da Asia ou ainda jogadores do Ragnarok original percebem fácil a diferença, pois o char sem censura é fiel ao primeiro Ragnarok.

 


A censura fica ainda mais evidente quando comparado com o projeto original do personagem em Ragnarok Eternal Love.



Obviamente nada que prejudique o gameplay ou a experiencia de jogo, no entanto decepciona um pouco pois o tão aguardado Ragnarok Mobile merecia ter as roupas originais em toda sua glória, o exagero incomoda mais que a atitude, se colocarmos em um mesmo nível a censura imposta no jogo na vida real então andar na rua no Brasil deveria ser só para maiores de 18 anos.

 

Na Google Play o jogo consta como +12, por essa razão olhei todos os modelos não censurados e não vi nada que fosse tão problemático ao ponto de fazer uma censura as pressas, exagerada e mal feita, sério é possível notar a rebarba no contorno da textura de alguns personagens no local onde foi realizada a censura, algo realmente feio.

 

Devido ao problema da censura a terceira classe já veio de série censurada, por essa razão nem todas as classes vieram com as roupas originais como é o caso da Arcana e da Musa.

 

Por conta dessa censura vários jogadores pelo mundo realizaram o procedimento de remover a censura (uncensored ou lewding), ou seja, editar os arquivos do jogo e trocar as texturas censuradas pelas originais, o procedimento em si obviamente é mal visto pela desenvolvedora, mas traz de volta a beleza original das personagens de Ragnarok.





Qual o pulo do gato?

Ragnarok Eternal Love tem primariamente o público saudosista como alvo, utilizando fortemente a mecânica de seu antecessor, corrigindo falhas, aprimorando o que funciona e implementando recursos novos, o jogo em si é o bom e velho freemium, é gratuito, porém utiliza dinheiro real para comprar itens de vantagens ou Big Cat Coins.

 

Possui sistema de roleta, que é chamado de Gachapon, se você conhece cultura MOE do Japão já ouvi falar deles com certeza, são maquinas que possuem uma lista de prêmios e por um preço fixo você consegue um item aleatório.



Os itens podem visuais que melhoram alguns atributos ou roupas completas (alternativas da classe ou temáticas) que revezam na máquina de tempos em tempos, mas para quem quiser o visual terá que contar com a boa e velha sorte de sempre.




Existem alguns itens na venda direta por dinheiro, mas nem de perto são tão bons quanto os tirados na sorte (e quando são custam uma fortuna), outro ponto interessante é que dá para conseguir cupons para as maquinas de gachapon e assinaturas VIP sem ser por dinheiro real, no entanto se prepare para mergulhar de cabeça no jogo, pois custa caro no leilão por zeny, se você trabalha 8 horas por dia ou estuda a sério, melhor procurar outra forma de conseguir seus itens.

 

Falando em VIP, o mesmo se trata de um período de 30 dias, onde a xp sobe cerca de 30%, você tem bônus ao adquirir itens dos pets (que nem mencionei acima mas agora o bicho é bem útil, faz quests, da alguns itens, e ajuda a bater nos monstros, ao invés de só comer e dar uns atributos de "esmola" como era no Ragnarok original) entre outros benefícios, o custo atual é de R$29,90 ou na loja de leilão (o preço flutua portanto pode ser diferente depois da matéria pronta) custa 2,6KK ou seja é bem carinho.

 

O custo médio da Big Cat Coin é de 30 moedas -> 20 reais, ou seja nada barato, isso provavelmente se deve ao fato de os servidores globais não proverem regionalização dos preços, logo de forma direta pagamos em média o valor em dólar, e com o valor do câmbio atual fica fácil entender o problema, portanto meu conselho é jogar "for fun" evitar os PVPs hardcore, senão é gasto na certa.

 

Como mencionado anteriormente não existe trade no jogo, isso significa que a única forma de transferir os itens é via casa de leilão que tem o preço fixo para evitar a inflação no servidor, daí se a pessoa não tem dinheiro (Zenys) ela vai precisar ou ter paciência e tentar farmar esse valor, ou comprar Zenys por dinheiro de verdade (Cada 1 Big Cat Coin vale 10K de Zeny) ou ainda comprar via Leilão de itens raros onde uma carta MVP costuma ser vendida por 13.000 Big Cat Coin!, um valor extremamente alto.

 

Com isso fica claro a oficialização e monopolização do mercado negro que havia antes por parte dos jogadores, só que agora por parte da Gravity como responsável de gerenciar as transações, muito esperto, diga-se de passagem e claro, lucrativo.


Vale a pena?

Sim, por se tratar de um jogo gratuito, muito bem feito no sentido gráfico (pô é um MMORPG de smartphone) e que pode ser jogado tranquilamente via móvel ou emulador com seus amigos (grupo de até cinco pessoas), ideal para saudosistas do Ragnarok e fãns de MMORPGs no estilo MOE.

 

A recomendação de finalidade se torna um caso a parte, perfeito para quem não tem pressa de upar e gosta de jogar for fun (vulgo PVM), ou ainda para quem tem bolsos fundos e quer jogar hardcore (PVP).

 

Com certeza não é recomendado para pessoas ansiosas que não podem gastar dinheiro ou que não aceitam a má sorte nas gachapons ou quem gosta de jogar competitivo, mas não de gastar, o custo baseado em dólar e o mercado controlado não é o ambiente ideal para uma pechincha no mercado, como acontecia no Ragnarok original.



Prós:

- Gráficos excelentes e ajustáveis para uma plataforma móvel.

- Boa adaptação da mecânica do Ragnarok original (nível, cartas, classes e etc.).

- Casa de leilão, dispensa manter uma lojinha aberta com o personagem logado como no Ragnarok original.

- Sistema de batalha automático, ajuda muito nas horas de matar monstros em quests ou para up.

- Respaw rápido e distribuído dos monstros (não vi acontecer como no Ragnarok original de monstro ressurgir tudo em um só canto só do mapa).

- Mesmos efeitos dos itens, cartas e skills com poucas mudanças, dispensa aprender o jogo do zero.

- Personagens bem feitos e muito bonitos (a censura é um caso à parte), a animação de caminhar, correr e lutar estão muito bem feitos, principalmente nas personagens onde a animação é suave e bem feminina (não parece um cara de saia correndo).

- Várias opções de customização do personagem ao atingir níveis mais altos (se tiver pressa sem problema, mas prepare o bolso).

 

- Excelente trilha sonora resgatando as músicas classicas do Ragnarok via "Vitrola", bem como adicionado novas a altura do jogo.
 

Contras:

- Exige um grande espaço no smartphone (Se tiver menos de 5 GB livre, ferrou).

- Exige um smartphone parrudo para rodar e um mais parrudo ainda para jogar sem queimar a mão, ótimo também como "stress test" de bateria.

- Mercado travado e impossibilidade de troca de itens direta entre personagens de diferentes contas.

- Custo por dinheiro muito alto (se bobear o Zeny está valendo mais do que nosso Real).

- Censura exagerada e desnecessária para um jogo MOE, nível "Peppa Pig" de classificação etária.

- Servidor Global lançado com episódios mesclados e atrasados, algo como episódio 2.5 mais ou menos, atualmente o Chinês está no episódio 5

- Tradução para PT-BR deficiente, os itens possuem o nome original em inglês, mas as vezes nas quests esses nomes são traduzidos ou ainda traduzidos errados impossibilitando saber qual o item que ele realmente quer, irrita e lhe faz querer mudar para inglês, é mais fácil jogar com um idioma só do que mesclar dois.